Educadores

Lilian L'Abbate Kelian

Lilian L'Abbate Kelian

Historiadora formada pela Universidade de São Paulo. Atua há dez anos na educação de crianças e jovens, na formação de educadores, gestão e avaliação institucional de projetos educacionais, na perspectiva da educação democrática. É cofundadora da Escola Lumiar e da Associação Politeia. Fundadora e pesquisadora associada do Núcleo de Psicopatologia, Políticas Públicas de Saúde Mental e Ações Comunicativas em Saúde Pública da USP (NUPSI). Atualmente trabalha no Programa Jovens Urbanos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (CENPEC).

  • 20

    OUT

    2014

    Sobre as eleições, com muito respeito

    por Lilian L'Abbate Kelian em 20/10/2014

    Eu não tenho grandes esperanças na política partidária… Acredito muito mais nos movimentos sociais permanentes do que na mobilização rasteira que acontece a cada 4 anos às vésperas da eleição. E, sobretudo, tento fazer do meu cotidiano (minhas relações com as pessoas desconhecidas e com as pessoas queridas, a educação do meu filho, o meu trabalho, a administração da minha casa, minha relação com os bens materiais,etc.) objeto de um reflexão política permanente . Nesta eleição, vou votar útil na candidata Dilma, com muita dificuldade porque as minhas posições estão bem mais à esquerda do que as propostas do PT, porém entendo que votar no PSDB representa um retrocesso da causa que considero a mais importante: o avanço dos direitos sociais e civis (a incapacidade do PSDB nesse ponto é bem empírica, basta ver a repressão que os movimentos de junho sofreram durante o governo Alckmin no ano passado, basta ver a situação da impressa durante o governo Anastasia em Minas Gerais). Eu não seria capaz (e nunca tentei) de convencer o pessoal do voto nulo a fazer o tal do voto útil, pois não tenho convicção suficiente “para exportar”, eu entendo os motivos do voto nulo profundamente.

    Eu queria muito entender o que está fazendo o pessoal escolher o Aécio, porque as posições todas só falam da corrupção do PT (quando não falam mal do bolsa família, mas aí é muita falta de informação pois o PSDB não só não é mais contra o Programa, como consta do seu Programa de Governo já nas primeiras páginas, como promete tranformá-lo em lei e expandi-lo), do “homem de família” que o Aécio é, e da necessidade de mudança (e da alternância do poder).

    Bom, eu não poderia defender o PT da acusação de corrupção (aliás, quase nenhum partido escapa desse tipo de acusação). Mas as informações que tenho acesso, começando pelo comparativo entre os partidos que tiveram representantes impedidos de se candidatar em função da lei da ficha limpa, passando pelas histórias do mensalão tucano (anterior ao petista e ainda não julgado), o escândalo do metrô, histórias que remontam o governo FHC (lembram do Eduardo Jorge?), e agora até mesmo essa história da Petrobrás… Tudo leva a crer que o PSDB é bastante corrupto. Você pode achar que nada disso foi provado, que é intriga do PT. Eu da minha parte acho que o PSDB é suspeito de um crime bem pior: usar a máquina para abafar os processos (o caso do Fábio Hideki dá uma boa ideia das insconsistências jurídicas favoráveis ao governo) e usar todo tipo de estratégia para silenciar a imprensa (como aconteceu muito recentemente em Minas Gerais).

    Eu não costumo considerar muito a vida pessoal dos candidatos, tenho mais interesse nas propostas e história do partido. A princípio, saber se o cara usa ou não drogas, frequenta prostíbulo, não seria da minha conta. Mas de tanto vocês falarem disso (e a propaganda eleitoral também) eu resolvi pensar no assunto. O Aécio é mesmo o típico pai de família brasileiro: machista, mulherengo, misógeno e violento (tem denúncias de tudo isso por aí). A sua família é assim? A minha não… E eu acho que cada vez mais a família brasileira vai deixar de ser assim. Entre os meus amigos tem muito pai dividindo a criação dos filhos com a esposa, e outros até assumindo enquanto a mulher prefere trabalhar. Tem casais gays com e sem filhos. Tem pais divorciados compartilhando os cuidados dos filhos. Em boa parte das cidades brasileiras, são as mulheres que chefiam os lares. Em plena discussão sobre a violência contra mulher tanta gente está gostando de um personagem machista e que já agrediu a namorada? Vamos continuar sonhando com esse ideal “Tradição, Família e Propriedade” de família? Esse ideal de mulher de político que faz trabalho voluntário enquanto o marido faz o trabalho que realmente importa?

    Eu queria muito uma mudança, porque acho que o PT se tornou incapaz de aprofundar as reformas para continuar promovendo a expansão dos direitos sociais. Mas o PSDB não representa uma mudança interessante, e lembra que foram eles que inventaram a reeleição (com direito a compra de votos e tudo)?

    Eu ia juntar todos os links das matérias que eu ando lendo. Mas sabe de uma coisa? Eu não ponho minha mão no fogo pela maioria veículos da grande imprensa e não estou super interessada nessa abordagem denuncista da política, me interesso mesmo pelos programas de governo e a experiência dos mandatos anteriores. E sabe de outra coisa? Se você é eleitor precisa saber fazer essas leituras todas, escolher fontes confiáveis, ouvir o argumento dos adversários, e refletir muito.

    Eu ainda gostaria imensamente se conhecer os outros argumentos dos eleitores do Aécio…

    ...