Educadores

  • 01

    JAN

    2016

    Trabalhar brincando ou brincando de trabalhar?

    por Nicole Rebeca Levy Plapler em 01/01/2016

    Tempo destemperado! Tempo sem tempero! Sem sal... sem gosto, sem agosto!

    Tempo desperdiçado! Agoniado... agonizante!

    Tempo desperdiçado... chuvoso, cinzento, choroso....

    Tempo destemperado... acalentando... aguardando... sonhando... por um...

    Tempo vigoroso, radiante, iluminado, pensante!

    Tempo de refletir, sentir, reagir, criar, amar, recriar, pensar!

    Tempo de pesquisar, descobrir, atuar, trabalhar.

    Tempo de ilusão e esperança. Tempo de se revigorar, se apaixonar!

    Tempo de VIDA.

    Tempo de aprender, tempo de brincar!

    A criança aprende, e apreende de si e do mundo que a cerca brincando. É desta forma que consegue  começar a entender e deglutir tudo que lhe é oferecido. Assim como o bebê aprende e conhece pondo tudo na boca, a criança brinca para se familiarizar.  Se isto lhe for oferecido,  mais tarde, poderá trabalhar como brincava.

    Fundindo e confundindo o brincar com o trabalhar, o prazer com o aprender, para que o trabalho venha a ser sempre um eterno crescer e vir a ser. Nunca algo pronto, quadrado, engessado.

    Uma eterna pesquisa sobre o próprio ato de criar e recriar, a si, a seus conhecimentos, ao universo interno e externo, que continua tão misterioso e desconhecido para a criança e para o adulto. Enquanto nos entupimos ou somos entupidos de informações, sem digestão, sem elaboração, sem absorção, sem entendimento, sem conhecimento. Muito pior, sem ilusão , sem  esperança.

    A informação superficial, automática, ou mecânica, não forma, pior, deforma ou faz cair no vazio, no vazio do conhecimento e no vazio da angustia maior....  da falta de sentido!

    Já o conhecimento, aquele que faz com que as informações descobertas fizessem sentido, nos move, nos faz crescer, amadurecer, pensar, pesquisar, querer saber mais...

    Saber todas as capitais dos estados e dos países pode ser útil, mas precisamos saber realmente que países são estes, como é o país em que vivemos, o que esperamos deste país e o que este país espera de nós.

    Conhecimento desenvolve senso crítico e analítico.

    Onde estamos? Para onde vamos? Afinal, não é disto que a vida trata?

    ...

Nicole Rebeca Levy Plapler

Nicole Rebeca Levy Plapler

Pedagoga formada pela USP, psicopedagoga, terapeuta familiar e psicanalista pelo SEDES. Trabalha em consultório particular desde 1985.