Educadores

  • 05

    JUL

    2015

    Adolescente insulta professor no Facebook

    por Regina Pundek em 05/07/2015

           Bem perto de onde moro o  insulto de um adolescente postado no Facebook a um professor e a sua escola desestabilizou muita gente. Rapidamente na porta da casa do garoto aconteceu um tumulto com a presença de professores e da polícia! Há quem pense que o garoto tem o direito de se expressar e que a censura é coisa do passado. Há os que se manifestam contra qualquer tipo de opinião difamatória.  Há os que entendem a necessidade urgente de avaliar judicialmente este tipo de questão. Há os que acusam as famílias por não educarem seus filhos. 

                   Mas de fato, como avaliar essa questão? Quão triste e destrutivo pode se tornar um comentário irrefletido e cheio de emoções?  O que podemos  aprender sobre isso? Como podemos ajudar esse garoto, essa família e essa escola? O que pensar sobre o direito à livre expressão? Qual o regulamento das mídias sociais quanto a menores de idade?

                   É indubitável que o exercício da honestidade numa situação nova como esta, onde o certo e o errado pode ser visto sob diferentes perspectivas,  exige que atitudes sejam tomadas, se necessário até medidas judiciais. Contudo, a   manifestação do garoto é legítima. Num mundo em que tanto se fala em inclusão e bullying, num mundo em que adolescentes armados atiram em colegas e professores;  ensinar as crianças e jovens a falar dos sentimentos é avançar na direção da paz.  Do meu ponto de vista, esse é o maior problema que a situação declara.  Por isso, é preciso rever se e como estamos ensinando as crianças a resolverem seus conflitos, sejam eles internos ou interrelacionais.  Como nós nos posicionamos frente a indignações? Que modelos oferecemos aos nossos filhos?

    A resolução de conflitos deveria se tornar prioridade no trabalho das famílias e escolas até a adolescência. Gasta-se tempo em grades curriculares que tanto apontam o que o próprio nome sugere: aprisionamento! A coisa mais importante que temos para aprender na vida é a conviver em liberdade e harmonia.  Aprender a reconhecer nossos próprios sentimentos, expressá-los, ouvir o outro e entrar em consenso.  Para isso, os conflitos precisam acontecer ou não poderemos trabalhar significativamente. Precisamos acreditar na competência dos aprendizes desde pequeninos, dar-lhes vez e voz e confiar em suas intenções, além disso, saber que essa aprendizagem é um processo, lento, mas que urge!  Para resolver um conflito o educador deve despir-se de seus contextos e percepções. Zerar emoções. Fazer muitas perguntas e ouvir atentamente todas as partes. E, somente quando todos os envolvidos e possíveis testemunhas tenham falado tudo o que viram, sentiram e desejaram, lançar a derradeira pergunta: Como vocês podem resolver isso? A resposta que as crianças trazem quase nunca é a que nós daríamos, contudo na maioria das vezes, ela mostra o consenso. Em geral, é uma resposta ponderada que leva em consideração o que as partes expressaram.

    Acreditar na importância dessa aprendizagem propõe uma ação amorosa, pacificadora, tolerante e incansável sobre as brigas infantis,  num esforço comum tanto das famílias como das escolas, para patrocinar uma mudança de paradigmas.  A criança não crescerá acumulando sentimentos de indignação nas gavetas do coração,  lidará com cada um em seu tempo.

    ...

Regina Pundek

Regina Pundek

Escritora, Professora da Educação Infantil, Diretora Pedagógica, Psicopedagoga, Engenheira Civil, Educadora apaixonada pelo respeito ao Ser Humano.