Educadores

  • 21

    MAR

    2016

    Coisas da vida - Registro de Aula

    por Regina Pundek em 21/03/2016

    27 de agosto de 2013

    Presentes: crianças de 5 e 6 anos

    Professoras: Regina e Mônica

    Hoje enquanto o grupo subia as escadas indo pra nossa Purple Class a Duda contou que a Paulinha estava de absorvente!  Imediatamente a Paula falou, como se defendendo: a minha mãe deixou. (que moderno, pensei - se fosse na minha época a palavra seria modess e claro que uma menina de cinco anos não estaria usando na escola,  muito menos com a autorização da mãe).  Logo um pequeno grupo de meninas em volta da Paula me olhavam com os olhos ansiosos de pesquisa, o que será que a Regina vai dizer?

                      Perguntei se elas sabiam porque as mulheres adultas usam absorvente e a Paula disse que é por causa do sanguinho.  Mas o que é o sanguinho? Por que sai sanguinho das mulheres? Eu questionei. Silêncio geral, olhos parados em mim.  Bem, meninas, vocês sabem que as mulheres ficam com os nenês nas barrigas, não é mesmo? sim!  Pois se uma mulher não é .... "casada" (que dúvida senti sobre essa palavra, mas achei que não era hora de falar sobre relação sexual), ela não faz nenê.  Mas todas as mulheres adultas fazem ovos. As galinhas fazem ovos que saem pra fora e podem ou não virar pintinhos. As mulheres fazem ovos que podem ou não virar nenê. Se não viram nenês saem do corpo da mulher naquele sanguinho que vocês falaram.  A Mônica, apontei pra barriga da Mô, agora tem o seu ovo se transformando num bebê.

                      Eu não vi o absorvente da Paula, quero ver, me mostra disse a Flavinha.  Então sugeri que fossem pro banheiro, isso é assunto de mulheres,  e a Paula, vaidosa, aceitou mostrar o absorvente.  Acompanhei a turminha ( Paula, Duda, Bel, Kaká e Flavinha) e falei que o nome do ovo das mulheres é OVULO.   A Sofia passou pelo lado saltitando direto pro grupo, decidi não chamá-la porque afinal, não tinha sido despertado seu interesse naturalmente.  Elas me perguntaram se eu também tenho ovos, então falei que meus ovos já estão bem fraquinhos, estou quase parando de fazer porque já estou ficando velhinha. 

                      Tudo isso me despertou pra uma nova forma de perceber as "coisas da vida".  Eu senti que tive dois preconceitos. Primeiro porque falei que as mulheres CASADAS  podem ter seus ovos transformados em bebês. Segundo porque mandei as meninas pro banheiro, e disse que isso é assunto de MULHERES.  Será?  Para elas estava tudo tão natural... Preciso repensar, resgatar com elas em algum momento...            

                      Entrei na sala me questionando se devia pegar aquele livro que mostra a formação dos bebês no útero e o nascimento... mas eu estava cheia de dúvidas e decidi dar a aula que eu planejara: CRIANÇAS DO MUNDO INTEIRO.  Perguntei se eles já tinham viajado pra longe e muitos citaram o Rio de Janeiro como lugar bonito e legal.

                      Foi uma aula linda, com o globo terrestre íamos vendo os lugares de onde as crianças eram.  Impactante ver as crianças da Índia, descalças, sujas, roupas rasgadas... o Pedro achou que elas são feias... eu perguntei se todos também achavam isso.  A maioria disse que sim. Hoje vimos crianças da Bolívia, Coréia do Sul, Argentina e do Brasil, que era uma indiazinha linda, que mora na floresta amazônica.  Sabiam que lá na aldeia dela não tem cinema? não tem Shopping?  não tem lojas?  que os brinquedos são todos de coisas da natureza? que eles não usavam roupas e não tinham vergonha de andar pelados?  

    Vocês sabiam que no Brasil antes só tinham índios, todos pelados?  que os portugueses chegaram aqui e se assustaram? que os índios também se assustaram ao ver pessoas com roupas?  que os portugueses queriam mandar aqui no Brasil e colocaram uma bandeira e o Rei Manoel, declarou que o Brasil era de Portugal?!  pois é. daí muitos portugueses vieram morar aqui e cavaram, acharam ouro e levaram nosso ouro embora lá pra Portugal.  Mas precisavam de gente pra trabalhar pra eles e os índios não queriam, por isso foram de caravelas lá na Àfrica e trouxeram muitos africanos presos, amarrados e xicoteavam e fizeram eles de escravos e era uma grande tristeza.  Daí uma porção de gente também achou triste os africanos estarem vivendo assim e foram falar com a princesa Isabel (a Bel abriu um sorrisão) e a princesa fez um documento proibindo as pessoas de trazer africanos e fazê-los escravos.  Os africanos ficaram felizes.  Eu fazia vozes representando os personagens citados e a Mônica me ajudava reforçando as falas.  Então o Mateus disse que tava parecendo uma história. Que lindo!  eu confirmei que é uma história verdadeira, do nosso país, que existem histórias verdadeiras muito legais.

                      De repente já eram 11 e 10, tava na hora de terminar... pena!  Quero resgatar tudo isso. Antes de sairmos eu disse que muita gente veio morar no Brasil, de outros lugares, por isso aqui tem tanta gente diferente, não só de um tipo. Falei que tem gente branquela como eu,  e tocando em cada uma das crianças eu ia dizendo, tem gente assim dessa cor linda, que parece da Índia,  com cabelos assim encaracolados tão charmosos, com cabelos cacheados que se movimentam no vento, com cabelos lisos que são escorridos como a chuva, com pele morena linda, olhos claros brilhantes, olhos escuros de jabuticaba... eu tive que falar de cada um, pois eles iam se posicionando perto e de repente o Pedro se enroscou alegre no meu pescoço e os outros vieram se aproximando e a gente ficou ali assim, meio abraçado meio solto, de um jeito lindo, aceitando as diferenças.  Daí eu disse quem quiser uva passa senta lá nas cadeirinhas, quero ver as mãos limpinhas e fui devolvendo pra eles o "doce" que me deram hoje.  Como foi bom!

     

    ...

Regina Pundek

Regina Pundek

Escritora, Professora da Educação Infantil, Diretora Pedagógica, Psicopedagoga, Engenheira Civil, Educadora apaixonada pelo respeito ao Ser Humano.