Educadores

  • 12

    FEV

    2016

    Metamorfose Social

    por Regina Pundek em 12/02/2016

    Hoje no rádio do carro, enquanto vinha para o trabalho, tocou a música Metamorfose Ambulante do Raul. Cantei alto,  meus ímpetos pessoais estavam  inteiros na canção.  Me veio na cabeça a fala  do Edgar Morin de que é melhor pensarmos em metamorfose do que em revolução, em se tratando das mudanças sociais que necessitamos.  Dentro de mim senti a lagarta devoradora e gorda a se remexer. Eu sentia algo como um “eita Raul, é nóis!”

    Mas não é nada simples elaborar conscientemente um plano de  metamorfose pessoal  ou social. A tal metamorfose que tanto citamos, da lagarta à borboleta,  faz parte da natureza, do biorritmo, do tempo, do pulsar da vida.  E, essa que o Edgar nos insufla demanda outras energias. Mas sabemos que o bom desafio não é o fácil e nem o impossível; o bom desafio é difícil e possível.

    Assim como a lagarta que devora, se prepara e faz de si a própria mudança, entendo que devemos usar o antigo, nossas experiências e ferramentas para fazer casulos plenos de potencial, desejos de paz e harmonia.  O tempo de casular é o tempo da reflexão e estruturação do novo para parir o belo, bom e justo. Depois da engorda o casulo. Depois da indignação, pesquisa e encontros temos que planejar. O planejamento é o casulo.  Nele afiamos as ferramentas, montamos as estratégias, discutimos, discordamos ou concordamos até que consigamos montar um plano de ação.

    A educação, especificamente a escola, é dita ferramenta de mudanças.  Dela se espera o chute inicial.  Ela é lagarta! E temos que transformá-la numa lagarta inquieta e faminta, que reconhece a necessidade de mudar, que reconhece seu potencial e canaliza para a ação coletiva e democrática.

    É mais fácil pensar o projeto de uma nova sociedade do que levantar estratégias, ações e pessoas comprometidas com a limpeza e reelaboração disso tudo que está aí. É preciso resistir e construir o improvável, enfrentar a economia em crise, o crescimento da desigualdade, a proliferação de artefatos nucleares, a degradação da natureza e dos valores humanos.

    Mas tem-se visto iniciativas importantes por todo lado em diversos segmentos. No mundo da educação especialmente organizações distintas apontam projetos inovadores e criativos que indubitavelmente vão colaborar com a construção desse novo cenário social que esperamos. Voltamos a falar da nossa lagarta.

    Mas há também iniciativas em outras áreas, outras lagartas, seja na agroecologia, na biologia, nas cooperativas, na economia social e solidária. Acredito que todas essas frentes de ação precisam confluir. Uma reforma tanto das estruturas como das pessoas vai gerar o casulo. Casular e metamorfosear é urgente!

    Quero ainda propor que usemos o lindo vocábulo que ouvi pela primeira vez do poeta e educador André Gravatá, o verbo “ousadiar"!  Uma palavra já metamorfoseada, não é mesmo?!

    Nosso sistema está cada dia mais incapaz de tratar questões vitais, está se desintegrando, tornando-se bárbaro. Ousadiando criaremos um metassistema, que reciclará velhos projetos, criaremos uma sociedade que não se pode prever, e que ultrapassará expectativas com a noção na tomada dessa consciência.

    Amigos, ousadiemos uma metamorfose sem medo, pois a história está escrevendo um capítulo cheio de indigestões e desespero.  

     

    ...

Regina Pundek

Regina Pundek

Escritora, Professora da Educação Infantil, Diretora Pedagógica, Psicopedagoga, Engenheira Civil, Educadora apaixonada pelo respeito ao Ser Humano.