Quem Somos

 

Somos todos educadores, como aprendemos com Paulo Freire. Somos seres humanos, um animal político dependente da vida em sociedade, em constante aprendizado, mudança, construção e reconstrução. Educamo-nos uns aos outros, a todo momento e em todos os lugares, mediatizados pelo mundo. A forma como nos inserimos no mundo reflete a contribuição que oferecemos aos outros,  ao meio ambiente e a nós mesmos. 

O Portal d@ Educador@ é uma OSC sem fins lucrativos, um coletivo de educadores que promove iniciativas que democratizam o território físico e virtual, através da produção de conteúdo fundamentado em suas experiências, com isto o Portal d@ Educador@ promove a difusão de experiências e pesquisas científicas que fomentam uma educação livre, integral, democrática, inclusiva e ecológica, para o desenvolvimento da autonomia individual e comunitária e para os direitos humanos. Oferecemos apoio e ao mesmo tempo cobramos o poder público com objetivo de qualificar a educação no Brasil. Oferecemos Consultoria Pedagógica e Jurídica, organizamos cursos, eventos e palestras para formação de professores/ educadores, em organizações educativas escolares e não escolares, públicas, privadas e do terceiro setor.

Princípios Políticos Pedagógicos

 

Que educação queremos?

Nos dedicamos a fomentar uma educação integral, viva e para vida, democrática e para democracia, libertária e libertadora,  para o desenvolvimento da autonomia individual e comunitária e para os direitos humanos.

Uma educação que não transforme as dificuldades das Crianças em patologias e não ofereça drogas no lugar de afeto.

Uma educação que não classifique as Crianças de acordo com notas, sejam elas números ou letras.

Uma educação que não avalie as Crianças através de testes físicos e mentais que acreditam provar seus limites e suas possibilidades.

Uma educação que não separe a atividade profissional da realização pessoal, de forma que o trabalho não seja uma tortura, mas uma atividade significativa.

Uma educação que não mantenha as Crianças aprisionadas em instituições, sejam elas Fundações ou Escolas.

Uma educação que motive e não puna a colaboração e a solidariedade. 

Uma educação para o pensar e não para o obedecer.

Uma educação laica, que respeite a diferença de credo, origem, gênero, cor e sexualidade.

Uma educação que enxergue a Criança não como pessoas-a-ser, não pessoas de amanhã, mas pessoas de agora, agora mesmo, hoje, como aprendemos com Janusz Korczak.

Uma educação que enxergue os aspectos cognitivos, emocionais e sociais completamente integrados.

Uma educação que seja dirigida pelo desejo, pelo interesse, pelo sonhar e guiada pela consciência em harmonia com o coração.

Uma educação que respeite o tempo de cada Criança sem uniformiza-las, nem mesmo em suas vestimentas e materiais.

Uma educação construída com afeto entre educadores e educandos, com vínculos construídos de modo saudável, para que possamos estabelecer ambientes pacíficos e respeitosos, onde os conflitos inerentes possam ser solucionados não pela vigilância, mas pela confiança, não pela punição, pelo castigo, pela coerção, pela violência, mas pelo diálogo mediado pelo amor.

Uma educação onde possamos aprender a conviver de forma solidária e colaborativa.

Uma educação que promova espaços que ao mesmo tempo protegem e potencializam as Crianças em todos os aspectos possíveis, apresentando as possibilidades no campo da ciência, das artes, dos esportes, da filosofia, da metafísica e com muito tempo livre para brincar.

Uma educação que favoreça o autoconhecimento para que a Criança se desenvolva em contato consigo mesma, aprendendo gradativamente a tomar decisões e consequentemente a se responsabilizar pelas consequências de suas escolhas.

Uma educação que seja construída pela comunidade e não para comunidade, que faça dos espaços públicos territórios educativos em comunidades de aprendizagem, onde a rua é espaço da cultura e não do medo.

Uma educação que compreenda o conhecimento de forma transdisciplinar, complexa, integrada, conexa, sistêmica, construído a partir da experiência sem divisões de matérias e sem separação entre teoria e prática.

Uma educação que promova a democratização do espaço físico e virtual, entendendo que o espaço virtual também precisa ser público.

Uma educação centrada nas relações.

Por uma educação que produza asas e não gaiolas, a pedido de Rubem Alves.

 

#Principais Referências Bibliográficas:

Anísio Teixeira, Carl Rogers, Darcy Ribeiro, Edgar Morin, Elie Ghanem, Emília Ferreiro, Errico Malatesta, Francisco Ferrer Guardia, Friedrich Nietzsche, Fritjof  Capra, Gilberto Freyre, Helena Singer, Humberto Maturana, Jacob Levy Moreno, Janusz Korczak, Jean Paul Sartre, John Dewey, José Mujica, José Pacheco, José Saramago,  Jules Celma, Karl Marx, Ludwig Bertalanffy, Maria Aparecida Affonso Moyses, Maria Montessori, Martin Buber, Michel Foucault, Mikhail Bakunin, Paul Singer, Paulo Arantes, Paulo Freire, Pierre Bourdieu, Pierre Joseph Proudhon, Rubem Alves, Rudolf Steiner, Sérgio Buarque de Holanda, Sigmund Freud, Sonia Kruppa, Tariq Ali, Vladimir Safatle, Zygmunt Bauman.