Redação

Combate ao Racismo

Pesquisar

Pesquisar

  • 04

    JUN

    2015

    QUEM TEM MEDO DO PROFESSOR?

    por Joice Maria Lamb em 04/06/2015

    Tenho lido as postagens sobre o projeto de lei "Escola sem partido", do deputado estadual Marcel van Hattem/ RS e estou tentando entender no que esta lei fará diferença na educação e quais objetivos podem estar por traz dela. Muitos, com certeza.

     

    Na página do Facebook deste deputado, encontro uma postagem que faz referência a uma matéria no Jornal do Almoço(RS) e diz em letras garrafais: PROFESSORA COMUNISTA CHAMA ESCOLA SEM PARTIDO DE MORDAÇA. Será que o adjetivo comunista tem o objetivo de depreciar a professora?

     

    Em seguida diz que a tal professora é filiada no PCdoB e dirigente do CEPERS. Outra pessoa criticada é o petista do SIMPRO/RS também é contra o projeto. A filiação partidária dos professores é exposta para dar a entender que estes professores querem mesmo fazer doutrinação partidária ou ideológica nas salas de aula. Mas o senhor Marcel van Hattem não tem exposto seu partido na capa da página do Facebook para, talvez, nos dar a entender que não tem partido, tipo o meu partido é o Brasil. Não, o partido dele é o PP, que encontro em letra miúdas, Como se chama quem é do PP? Pepista?

     

    A ideia toda dá a entender que quem é contra o projeto, é a favor da doutrinação. EU SOU CONTRA o projeto, mas não sou a favor de doutrinação nenhuma. Mas, penso que quem ocupa seu tempo para elaborar, defender e discutir um projeto destes não sabe mesmo dos reais problemas de educação neste país. Acredito que episódios que poderiam ser chamados de doutrinação acontecem em algumas escolas e com alguns professores, em diferentes momentos e por diferentes ideologias, esquerda, direita, religiosas, mas não são o corrente nas salas de aula.

     

    O corrente nas salas de aula deste país, senhor pepista ou progressista Marcelo van Hattem, são professores desvalorizados por salários baixos e falta de estímulo para continuar na profissão; são salas de aula precárias, com goteiras, ou muito quentes, ou muito frias, ou muito pequenas, ou muito úmidas; são escolas que precisam ficar o tempo todo ajustando seus projetos pedagógicos porque entra e sai partido do governo e cada um tem um projeto mais mirabolante que o outro. Como este que o senhor tenta emplacar...

    Eu pergunto para quê? O senhor também tem medo de que uma horda de comunistas invada o Brasil? Ou também acha que os professores massacrados no Paraná eram comunistas e o governo psdebista não teve outra alternativa senão "baixar o cacete"?

    Sei lá. Depois deste projeto que quer que em cada sala de aula seja afixado um cartaz, com o título DEVERES DO PROFESSOR e todos os artigos desta lei, acho que baixou o nível total de respeito ao professor. Cada vez o professor tem mais deveres e a sociedade toda, inclusive este deputado, faz de conta que não vê a dificuldade que temos em " simplesmente" dar aula. Com esta lei, afixada nas nossas costas temos que dar aula, tomar cuidado em tudo o que vamos dizer, pois qualquer um agora  pode interpretar de qualquer jeito o que foi dito, sem contexto nenhum e nos aplicar OS RIGORES DA LEI.

     

    Minha indignação é tanta que os leitores podem imaginar sozinhos o que nos resta depois desta lei. Talvez, seja melhor acabar com a profissão professor e fazer um monte de vídeo aulas para os alunos aprenderem em casa de acordo com a "ideologia" da família. Chega de escola, porque nela só trabalham "doutrinadores", não professores.

     

    Quem sabe, se no lugar de ocupar seu tempo com essa "escola sem partido" não desenvolva um projeto que permita às escolas serem realmente um lugar de democracia, que possam decidir com a comunidade escolar seus projetos de ensino, com conselhos escolares fortes e participativos, sem ter que fazer o que o governo de um partido ou de outro partido inventou. Por que o senhor não coloca seu mandato em favor da escola pública, e incentive os pais a participarem das reuniões escolares, a participarem dos conselhos e assembleias escolares, a decidirem em conjunto os rumos da escola dos seus filhos? Desse jeito, se houver algum "professor doutrinador", a comunidade escolar legitimada pela participação nas decisões da escola, dará conta dele.

    Ou essa ideia de democracia é muito "esquerdista" ?

    ...

    Joice Maria Lamb
    Sou professora formada no antigo "Magistério", depois em Letras, com especialização em Gestão escolar. Minha experiência em sala de aula já tem 24 anos e sempre na escola pública. além da sala de aula, já atuei na direção de escola e agora, na coordenação pedagógica.